Revista Garanhoes Mostra Tendencia!
15/08/2011
« Voltar

No domingo li com calma a revista Garanhoes da Tambor & Baliza que saiu este final de semana.

Acho que da para ver ali a tendencia dos cruzamentos para 3T que veremos no futuro.

Contei 73 garanhoes anunciados na revista.

Destes, 48 sao da linhagem de corrida ou seja 66%.

6 sao de linhagem Shady Leo, ou seja 8%.

19 sao de linhagem de trabalho, ou seja 26%.

Se somar os Shady Leo com os de trabalho, temos 34%.

Entao no final das contas, 66% dos garanhoes anunciados sao de corrida e 34% de trabalho! 

Isso quer dizer que e possivel que de cada 10 potros que a turma produza este ano para a lata, 6-7 serao de corrida e 3-4 serao de trabalho!  E uma conta meio burra e simples, mas pode bem ser verdadeira. 

Isso quer dizer que a oferta vai aumentar muito de animais de corrida para a lata e os precos vao cair ou deverao cair - e isso pode atrair mais pessoas para a linhagem, algo que hoje nao acontece porque existe uma barreira de precos grandes.




Comentários
» Enviar seu comentário


22/08/2011
Ronaldo Klitzke Filho

Gostaria de ajuda para listar as melhores égua produtoras de tambor, no Brasil, com filiação de comprovadamente produtora em corrida, as mães de cavalos pontuados em 3T, que são filhos de garanhões e éguas produtores de cavalos de corrida. Imagino que não sejam muitas ainda, o que faclita o acompanhamento...

Sem dúvida as linhagens para cada modalidade se evidenciam por herdabilidade de características morfológicas e comportamentais dos seus reprodutores.

Assim, como em todas as modalidades hípicas, em 3 tambores já temos e teremos mais variedade de linhagens específicas, claro que no tempo permitido pela tecnologa genética, quando aplicada otimamente.

Por isso que tento não classificar indvíduos em corrida e trabalho nesta fase de "livro aberto" do tambor. Pra mim corrida são os reprodutores que produziram corredores, de preferência ganhadores e de tambor (laço, rédeas, apartação, vaquejada, etc...), do mesmo modo.

A seleção está em fase de alquimia ainda e serão poucos os acertos, pelo visto, em relação aos erros. Seria legal indicar para seleção apenas reprodutores comprovados, por enquanto...

Claro que cabe misturar apartação com corrida, buscando mais habilidade no apoio de posteriores, e que em rédeas encontramos contribuição, além de apoio de posteriores, na evolução de velocidade, para explosões e reduções, aguardo ao comando do cavaleiro, arqueamento do spin, flexão de pescoços, etc., pois isso é selecionado diretamente, quando um idivíduo é exigido para tal exercício e quanto mais antiga a seleção específica, mais fixadas as características estarão nos transmissores de genes, ou padreadores.

Ainda, na minha opinião vai demorar um pouco para que algum garanhão supere o DTF, nos 3T...

A sorte é que o tempo, a marca, depende mais da velocidade nas viradas e explosões do que na rapidez do retorno do terceiro... Bom, ao menos no planeta Terra, já que tem aterrisado aqui cada foguete! (rsrsrs)

Também, acho que seria legal, urgente até, aprimorar a seleção dos indivíduos de baliza, pra aos poucos ir separando mais, já que a modalidade é tão sensacional, mas tão diferente dos 3T.

Os bixos estão por aí e é gostoso gastar tempo observando-os!

Abraços!
19/08/2011
Giuliana

Concordo que qualquer pessoa é apta a correr com animais de corrida, hoje tenho 18, minha égua é Special Sound II X Miss Diamond CRC ( Diamond Jiggs) ou seja, corrida fechada, monto nela desde meus 10 anos, mas nunca consegui tirar dela o que podia, motivo? Medo, porque ela corre demais e tenho medo dela não dar conta de virar os tambores, e como treino por conta e minha pista é pequena, não posso ver o que acontece em casa. Nas poucas vezes que tentei, nós escorregamos ou caimos no primeiro tambor. Ela é grande demais ( 1,61m) para tambor e isso é caracteristico dos animais de corrida. Sob meu ponto de vista: tambor não é só velocidade, é trabalho também. Acredito que o sucesso está na mistura de linhagens e assim teremos uma linhagem de tambor. Temos que descobrir a fórmula que leve ao sucesso, cruzamentos de corrida com trabalho que façam sucesso. E montar nossa propria linhagem. Precisamos ter autenticidade. Thomas, respeito sua opinião, que fique claro isso, mas tenho a minha e também não sou dona da verdade. Mas o VF é unico e especial, ele é uma raridade. Ele corre como um cavalo de corrida, mas trabalha como um de trabalho, é isso que faz dele especial. Eu pensei em comprar uma cobertura dele há um tempo, mas fiquei receosa, por ter 2 eguas de corrida em casa e saber como são as duas. Optei por cavalos de apartação, se deu certo, só o tempo dirá. Mas como faço do tambor um lazer, não me importo se eles virarem em 19s ou 17s, eu só quero ter o prazer de entrar na pista e soltar as redeas. Ter um filho do VF é meu sonho. Sou tão ou mais fã dele quanto vcs da FNSL, quem sabe um dia não consigo corprar ou criar um filho dele também. Me desculpe qualquer coisa, as vezes expondo nosso ponto de vista ferimos as outras pessoas.
18/08/2011
Thomas Souza

Concordo com a ideia de uma linhagem de tambor - mas infelizmente isso nao existe como nas outras modalidades.

Pode ate ser que em um futuro distante isso venha a ocorrer.

Nos EUA nao existe isso - acho que podemos imaginar que existam tres garanhoes de tambor por la - o Dash Ta Fame, Firewater Flit, e Frenchmans Guy (equivalente nosso Shady Leo). Fora isso, o tambor usa o descarte das linhagens.

Aqui nao vai ser diferente. Podemos ate ter garanhoes que sao voltados para o tambor, os de linhgaem Shady leo e outros importados mas fora isso nao existe uma linhgaem fechada.

Uma coisa que eu tento passar aqui no Blog e que a linhagem de corrida e a mais apropriada para o tambor porque e assim nos EUA (a terra mae do tambor no mundo) - e la, criancas, adultos, velhos e amadores correm em cavalos de linhagem de corrida naturalmente. E aqui tambem temos varios exemplos disso - o melhor deles e o Cashanova West e Gabriela Ferro. Mas isso e minha opiniao. Nao sou o dono da verdade.

Enfim, acho que cada um faz o que quer, so gosto de colocar coisas aqui no Blog para o pessoal ver o que rola por ai.

16/08/2011
Leonardo

Só pra complementar o meu comentário de antes eu acho que devíamos parar com esse negócio de linhagem de trabalho, linhagem de corrida. Vamos começar a falar de LINHAGEM DE TAMBOR, só isso.
Pra mim Shady Leo, Hobby top Cody, Trouble, Mr Jay Bee Dee não é linhagem de trabalho, é linhagem de TAMBOR. Da mesma forma que DOC BAR não era linhagem de corrida, e sim linhagem de boi (Aliás, pra quem não conhece recomendo a leitura do texto no dia 31/01/2011 nesse blog). Assim, pra mim (minha opinião), Trouble, Shady Leo, Failas Ambassador, etc é tanto linhagem de TAMBOR quanto Firewalter flit, DTF, Bully Billion, Firts Down Dash, Frenchman´s Guy etc etc etc....num leilão, deveriam ser valorizados iguais, o que eu acredito que deverá acontecer nos próximos anos, quando todo mundo perceber isso e passar essa" fase" de se falar que linhagem de corrida é sinônimo de sucesso.... e perceber que o que é sucesso é a linhagem de TAMBOR, seja proveniente da linhagem de boi, de corrida, de laço, de PSI, de égua comum, de égua 1/2 sangue, 3/4, 7/8, 15/16 ou seja lá o que for......produziu ou deu certo nas pistas de tambor, é linhagem de tambor e ponto final, igualmente valorizados. Essa é minha opinião.
abraços, Leonardo Burman
16/08/2011
Leonardo

Olá Thomas, bom dia. Neste seu comentário eu concordo com "os preços vão cair", mas não concordo que a linhagem de corrida atraia mais gente por conta do preço.
Primeiro só pra deixar claro eu não defendo essa "briga" de linhagem de corrida x trabalho, todo mundo gosta é de cavalo bom, independente da linhagem.
Mas, o que é cavalo bom? É um conceito muito subjetivo. Cavalo bom é aquele que corre 16s? Nem sempre.
Por exemplo, me parece pelo que eu acompanho das provas que se animal de prova, de sua sela, é uma filha do SHADY LEO, certo? A Fofinha San. Ainda que ela tenha uma linhagem de corrida materna, é uma linhagem que pode ser considerada corrida x trabalho.
Da mesma forma, os kids, junior, jovens, amadores principiantes na sua maioria será que correm em linhagem de corrida fechada?
Eu acredito que temos que pensar no quarto de milha como um cavalo genuinamente norte americano e que foi desenvolvido em sua origem para a corrida. Mesmo o chamado "papel de boi" tem um "fundo" de velocidade na genética. É só acertar os cruzamentos, como a maioria vem elogiando muito o "choque" trabalho x corrida. Mas, volto a dizer, é subjetivo demais....
Também acho importante comentar o fato de que o pequeno criador, ou o iniciante, ou o proprietário de um só animal, acho que dificilmente "arriscaria" seu investimento em um animal fechado na linhagem corrida. A estatística é comprovadamente maior de dar certo havendo um choque de trabalho. Falo aqui da estatística do animal dar para o esporte (3T). Isso quer dizer, os pequenos proprietários (aqueles que tem 1 ou 2 animais de prova - e são muitos) vão preferir via de regra dar um tiro numa linhagem que tenha "trabalho"....na minha opinião...
Por outro lado, concordo contigo totalmente que os preços vão cair, não só por esta questão colocada no post, mas pelo simples fatos do aumento da quantidade de animais colocados no mercado todos os anos - oferta x procura...
Por fim, quero parabenizar o seu blog e principalmente sua iniciativa de fazer o feirão do dia 10/9, acho uma idéia antiga que faltava alguém entusiasmado para colocar em prática, tomara que se torne uma tradição, parabéns de verdade.
abçs, Leonardo Burman


15/08/2011
Ronaldo Klitzke Filho

Acredito que se, aos poucos, começarmos a identificar melhor os indivíduos na reprodução, melhoraremos os resultados.
Assim, penso que classificar os animais em corrida ou trabalho seja um pouco "ultrapassado", já que muitos dos garanhões que classificamos não correram ou "não trabalharam". O Apollo VM, por exemplo, correu, foi recordista, produziu muito na corrida e produziu pouco para tambor, que não é uma prova de trabalho e sim de velocidade. Não por falta de vontade, mas por falta de tempo.
Acontece que numa prova de 3T ganha quem correr mais, mas quem virar mais rápido também ganha, com marca boa de tempo.
Garanhões que imprimem velocidade suficiente para um bom desepenho no curto percurso de 3T, mas que o fazem também em habilidade e são exemplos o TFW (selecionado com critérios pelo Haras ZD), o VF (do mesmo modo), o ESZ, o CR, entre outros, é que devem ser mais aproveitados, ao invés de experimentar garanhões não provados que apenas produziram em corrida ou pior, que apenas têm linhagens para tanto...
É preciso valorizar mais as mães. Pois não acredito que na média um garanhão que imprima tanta velocidade para corrida como faz o 3-6, consiga imprimir habilidade como fez na excelente 3 Carat Diamond, do grandioso B2B, com o ótimo Rodriguinho!
Bom, fica difícil falar de seleção com tantas varáveis.
Tenho certeza de que o primeiro passo é padronizar o ambiente, desde dieta, cama, manejo, até principalmente treinamento e atendimento Médico Veterináro. Sendo que estes têm evoluído, mais o treinamento, em relação à média histórica do que a parte médica esportiva, que deve ser cada vez mais especializada, sendo que tenho pra mim, como médico veterinário amante deste esporte, que algumas siuações clíncas são de diagnóstico muito difícil, pela limitaçãos dos exames complemengtares de imagem (não temos tomografia nem ressonância magnética para cavalos), e assim o Médico Veterinário deve dispensar MUITO tempo nos exames clínicos de pista e saber avaliar a biodinâmica dos animais que em alguns casos, mesmo sem claudicação evidente ao trote, mostrarão dores nas reduções, entradas de tambor, apoios, viradas e saídas de tambor.
Não tenho dúvidas, pelo que vejo nos treinamentos das grandes competições, que muitos animais bons, principalmente os de tamanho superior (próximo ou maior que 500 kg de PV), geralmente nascidos de famílias ditas "de corrida" e também aqueles precoces, ditos de trabalho, que por destaque de desempenho precoce, são muito mais exigidos enquanto ainda "pré-adolescentes" e depois competndo em diveersas categorias (amador, jovem, 6 balizas, etc...).
Buscar programas de seleção genética específica para 3T, padrões de treinamento e condições de pista e um PF para 4-5 anos, como é o da vaquejada, é para mim, fndamental. Obviamente que não quero causar polêmica com criadores que têm garanhões que imprmem precocidade, pois é ali, no PF que o "sangue de trabalho", aparece muito!

Parabéns pelo site + 1 x!

Ronaldo.
15/08/2011
André Ribeiro

Essa tendencia esta muito marcante nos leiloes tb, animais com linhagem corrida os preços explodem!!! E é muito interessante qdo vemos novos treinadores se dando bem com linhangens assim, se destacam pq aprenderam mais rapidamente a sensibilidade desses animais.
O Blog (painel de notícias) da Fazenda Nossa Senhora de Lourdes é um espaço criado para a divulgação de informações e troca de idéias, permitindo, inclusive, a participação de terceiros por meio de comentários. A opinião expressa nos comentários reflete a opinião do autor e, não necessariamente, representa a opinião da FNSL. A Fazenda Nossa Senhora de Lourdes não se responsabiliza pelo teor destes comentários. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do visitante que enviá-lo, sendo o número IP, data e horário da postagem armazenados em nosso sistema.
Fazenda N. Sra. de Lourdes - Jaguariuna:(19) 3867-1226. (11) 3071-3866 | Fazenda Estrela do Sul - Uberaba:(11) 3071-3866 . (34) 9960-6172
Desenvolvido por Mercado de Cavalos