Porque comprar cavalos nos EUA e uma boa?!
27/11/2009
« Voltar

Recomendo darem uma olhada no site heritageplace.com.

La tem o resultado de um leilao enorme com mais de 500 cavalos entre QM de corrida, puro sangue ingles e paint horse.

As medias de la nao deixam duvidas - comprar cavalo hoje nos EUA e melhor negocio que comprar aqui olhando para preço, e claro. Problema e ter tempo, paciencia, esperar o tramite etc etc etc.

A media do leilao de animais QM da linhagem da corrida (271 animais) foi de US$5,300 ou algo como R$9,400. Coloca em cima disso os US$10,000 de frete e outras despesas, o animal chega aqui custando algo como R$27,000.

A media para animais de ate 1 ano (54 animais) foi de US$6,800 ou seja R$11,800. Com o frete, algo proximo a R$29,000.

Por isso a lista de brasileiros compradores nesse leilao e bem grande. E com o Real forte, isso vai continuar.



Comentários
» Enviar seu comentário


03/12/2009
Thomas Souza

Nos EUA, e uma pratica comum o vendedor dar a 1 coleta e envio de graça para o comprador.



Sobre o semen chegar ruim no destino, isso o veterinario geralmente tem um controle para que ele possa comparar. Mas realmente e muito complicado e frustrante esse processo todo.
03/12/2009
Thomas Souza

Sou fa do Shady Leo, tanto e que tenho muito amor e admiracao pela nossa Fofinha San, egua que faço questao de manter no nosso plantel.



Sem duvida Shady Leo tem um otimo papel. Mas na minha avaliacao, ter nomes bons na arvore nao e suficiente. Os nomes bons tem que ser bons individuos naquilo que querem produzir. Ai sim eles se tornam completos. Ser bom so porque produziu e uma grande coisa sem duvida, mas se torna questionavel no tempo. Pode ser um funcao estatistica por exemplo - produziu muito e ai alguma coisa acaba sendo boa.



Cada um no seu tempo sem duvida. Meu ponto e so que para ser completo, o garanhao precisa reunir 4 fatores: conformacao, pedigree, performance e logicamente producao. O Holland Ease por exemplo nao e um primor de conformacao (pelo que escuto pq nunca o vi ao vivo), mas nos outros 3 quesitos ele e simplesmente excepcional. Um garanhao que eu acho reune os 4 quesitos de forma clara e o Nordick Only, apesar de ser um pouco grande para meus padroes. E tem varios outros...



So para registrar o que cada um fez em relacao ao Shady Leo:



SHADY LEO: Numero 1 nas estatísticas de trabalho de todos os tempos. Na vaquejada produziu campeões, como: MISS SHADY DIAL(Luna) - Ganhadora de mais de R$100mil em prêmios; DADDY SHADY - Pontuado na ABQM Am Pux; BLACK JACK LGO - Pertencente a Matusalém, entre outros. Avô de LUCKY SHADY OMO - Campeão de Vaquejada monatado por Buchecha. É grande produtor de campeões e produtores de Baliza e Tambor, produziu fenômenos, como: CROMITA MA 10, KROMITA COMKA 2F, EF SHADY BROWN, entre tantos outros.







SHADY APOLO BARS: Lenda na vaquejada, pai e avô de grandes produtores de VAQUEJADA, como: OIL APOLO, GOLD SONORA, SHADY LEO, RONALD DA ER, BLACK SHADY, BLACK PAR PH, DON DIEGO BARS, EL APOLO BARS, ELWILK APOLO, entre ouros. Campeão Nacional de Apartação. Dos mais importantes reprodutores da raça, é pai e avô de Registros de Méritos em Corrida, Conformação, Trabalho e Vaquejada. Avô materno da Bi-Campeã nacional de Apartação SHADY PAR e de DOC APOLO SHADY (Campeão Nacional em Rédeas).



MISS TONTA LEO: MISS TONTA LEO

Produziu vários RMT. Mãe de SHADY LEO (RMT, Campeão 'Futurity' de Rédeas e Campeão Nacional de Rédeas), SECOND LEO (Campeão Potro Araçatuba/79, Campeão Cavalo Ourinhos e Avaré/79, Campeão Nacional 3 Tambores infantil/83 e RMT), MR ROCKET (Campeão Nacional Laço em Dupla), Miss Tonta Leo foi Campeã Nacional Conformação/82

02/12/2009
Marcos Paulo Almeida

O veterinário que presta serviços de reprodução em meu haras, defende a tese que não deveríamos pagar os serviços de coleta e transporte de semem, toda vez que chegarem no seu destino com baixa qualidade. Isso vem ocorrendo devido a excessiva diluição. Ele não entende como podemos pagar e sem reclamar por um serviço prestado de maneira deficiente.

Ele tem razão, esse procedimento somente nos traz sérios prejuízos. Ano passado, fiquei com três éguas vazias por causa disso. Adquiri por um valor bem alto por sinal, tres coberturas desses famosos garanhões importados. Na estação de monta, solicitei o semem de um deles para uma dessas éguas. Meu veterinário fez a contagem e disse que o semem estava fraco. A meu pedido, inseminou a égua assim mesmo. Dito e feito, não deu resultado! Pedimos novamente o semem desses dois garanhões, alternando as éguas, e sem êxito. O interessante, que todas as 9 (nove) vezes que as doses chegavam, foram feitas as contagens dos espermatozóides. E todas sempre abaixo do padrão normal para se conseguir uma prenhes. Vejam meu prejuízo: 9 doses de semem a R$ 120,00 por coleta. 9 viagens do moto-boy para transportar o semem: R$ 145,00 por viagem. Visitas extras do veterinário para inseminar, para conferir a ovulação, para coletar embrião, que nunca existiu, preparação das matrizes e receptoras, medicamentos e alimentação diferenciada, além de termos ficado com as três matrizes vazias durante um ano inteiro.

Não podemos cair mais nessa, vamos pagar somente quando nos enviarem doses de semem de boa qualidade. E ainda mandar-lhes a conta dos prejuizos que nos causaram.

Sds.



Marcos

02/12/2009
José Neto

Thomas a César o que de César já dizia os romanos. O Shady Leo é filho de SHADY APOLO BARS X MISS TONTA LEO.

O Shady Apolo Bars dispensa comentários na sua produção e a Miss Tonta Leo - produziu 3 filhos - MR ROCKET (pai da Ximbica Rocket e de diversos outros campeões em laço), SECOND LEO E SHADY LEO. o Shady Leo foi treinado para Apartação e para Rédeas, foi campeão do Potro do Futuro em Rédeas e 2º lugar na Apartação. Para época e nos dias de hoje isso era um grande feito. A Miss Tonta Leo é descendente das linhagens dos cavalos fundadores da raça nos EUA entre eles LEO. Então não diga que o Shady Leo não fez nada, ele fez aquilo que havia para disputar na época dele. O que você afirma é o mesmo que dizer que o Shumaker na formula 1 não é bom porque no tempo dele não tinha Senna, Piquet, Alan Prost, Mansel e etc...
02/12/2009
Thomas Souza

Ola Neder



E um bom ponto. Antes de vender o semen, o prop deveria atestar a sua qualidade, como ele viaja etc. Nao e por ser um animal jovem que o semen tem baixa qualidade. Logico, um cavalo de 2 anos nao vai ter a qualidade de semen de um animal mais velho, mas nem por isso vai ser de pessima qualidade.



Eu lembro que o nosso potro de 2 anos ficou uns dois meses coletando so para melhorar a qualidade do semen e "limpar" os tubos etc. Mas logo apos esse periodo o semen ja estava de boa qualidade, viajando etc.



Uma cobertura geralmente da para ate 5 doses, e com isso para que a inseminincao artificial seja feita com uma otima oportunidade de sucesso. Se o veterinario dividir em mais de 5 doses o risco aumenta e muito de fracasso na IA.



Ninguem ganha vendendo semen de baixa qualidade. Entao e ficar de olho para que as coisas possam ser feitas de maneira mas correta possivel para todos as partes envolvidas.



Mas importante que a qualidade do semen, e pagar o preço justo para um "garanhao" novo de 3-5 anos. Nao e por ser importado que se deve pagar caro numa cobertura. Nao e porque o animal ganhou um troco nos EUA que se deve pagar caro na cobertura.



Se deve pagar pelo conjunto da obra: conformacao, pedigree, performance e producao. Os pesos atribuidos para cada uma dessas categorias varia, mas e inevitavel dizer que o item producao e o mais importante de todos, mas nem por isso deixa de ser uma funcao dos outros tres. Ou seja, e mais facil um animal que tem boa conformacao, bom pedigree e boa performance produzir bem no futuro.



E logico, existem casos de animais que nunca fizeram nada, nao eram um exemplo de beleza, e nao tinham um pedigree de qualidade inquestionavel e sao considerados entre os melhores garanhoes da historia - o Shady Leo, no tambor, e um otimo exemplo disso. Mas o Shady Leo e uma excecao, nao e uma regra.
02/12/2009
José Ricardo Neder



Bom dia Thomas,

Estou acompanhando os comentários a respeito da importação de animais, principalmente de machos, não vou chamar nem

de garanhões. Até agora ninguém comentou a respeito das vendas de coberturas, eu mesmo cai nessa, comprei uma cobertura de um animal ( por enquanto não vou citar nomes) e o mesmo tinha a idade de 2 ,3 anos não sei bem ao certo num

leilão vi o proprietário do mesmo contando vantagem que na primeira estação de monta deste mesmo garanhão foram vendidas

mais de 80 coberturas,( ótimo) para o dono. Agora eu pergunto para quem possa me responder, um animal nessa idade vai

ter condições de fornecer semem de QUALIDADE para nós que adquirimos este semem, isto vai chegar com qualidade ao

destino? eu acho que não, pois o mesmo deve ter sido super diluido e ai vemos as velhas desculpas que é por causa da egua,

do veterinário que não tem competência e mais mil desculpas, NUNCA A QUALIDADE DO SEMEM e toda vêz temos que pagar

coleta, (o que deve ser um ótimo negócio) transportes,e assim vai e quem comprou só levando......VAMOS PRESTAR MAIS

ATENÇÃO pois nessa eu já cai.

Abçs. Neder
30/11/2009
Cláudio FanhanI

O Diálogo ou debate de idéias é muito salutar quando feito com sabedoria e respeito, acredito que uma das coisas importantes que podemos colocar em discussão, para que possamos melhorar ainda mais o plantel brasileiro é alterar alguns critérios para registro de machos, assim como já existe incentivo nas provas oficiais para animais castrados. Mais essa é apenas mais uma idéia, não podemos nos esquecer que temos muitos picaretas no criatório nacional. E também ótimos exemplos a serem seguidos.



Abraços a todos.

Cláudio Fanhani
30/11/2009
Thomas Souza

Luan



Se a informacao e publica nao vejo problema em colocar por aqui. Obrigado pelas informacoes e opinioes!

Eu tambem sou a favor da valorizacao do plantel nacional, mas nao via atitudes protecionistas. Quem nao deve nao teme e como numero de importados e pequeno, eu realmente nao vejo problema.



Mas como disse, sou sim a favor de uma taxa de fomento mais alta para inibir as importacoes de oportunistas. Mas se eu tenho um matungo la nos EUA e quero por algum motivo idiota trazer ele para o Brasil, eu nao deveria ter esse direito barrado por burocratas mas sim pelo custo de importa-lo.
30/11/2009
Luan Patussi

Animais, pais, e preços retirados do site heritage.com:



-Dashin Cartel (Corona Cartel) $21,000

-She Can Disco (First Down Dash) $13,000

-Separatariat (Separatist) $14,500

-A Streak Of Merry (Streakin Six) $26,500

-Miss Acetylene (Mr Jess Perry) $13,000

-Dressed For Cash (Victory Cash) $15,500

-Perks Are Wild (Heza Fast Man) $12,000

-Sisters Chick (Chicks Beduino) $19,000

-Authorized Signature (The Signature) $16,500

-Peach Parlay (Fishers Dash) $6,200

-A Royal Jet (Royal Quick Dash) $30,000

-Jeryls Choice (Chicks Beduino) $12,000

-Meye Quick Pick (Royal Quick Dash) $20,000

-Sage Cartel (Corona Cartel) $31,000

-Real Easy Cash (Easy Jet Too) $28,000

-Splashingdownfront (First Down Dash) $51,000

-Rapids Blue Eyes (Mr Eye Opener) $9,000

-Bimini Road (Oak Tree Special) $6,000

-Saucey Sensation (Sixes Royal) $8,000

-Wanna Be Fast (Heza Fast Man) $9,200

-Brisco County Jr (First Down Dash) $40,000

-Beccas Sizzling Six (Streakin Six) $6,000



Estes são alguns dos animais vindos ao Brasil nos últimos tempos, está no site, todos tem acesso e podem ver.

A questão é, quanto foram pagos lá, e quanto valem aqui?



Thomas, não sei se é certo divulgar estes valores, pois muitos dos acima relacionados alcançaram e podem alcançar preços "muito" superiores em leilões, vendendo coberturas, ventres, ou os próprios, e não é meu objetivo aqui, definhar a venda de ninguém. Então vê se tu acha que é certo publicar no blog, mas só lhe mandei pra ver, expressando o que eu acho, se é ou não é uma boa comprar animais nos Estados Unidos.

Lá, para eles, estes animais podem ser apenas mais um, pelo número de irmãos ou animais pertencentes a mesma linhagem, mas aqui, no Brasil, impulsionados com a falsa crença de que só os animais importados valem, ou que os nacionais não tem o mesmo valor, estes são tratados como celebridades e alcançam os recordes de preços nos leilões. Tenho a certeza que eles são fundamental e irão contribuir, e muito, para aumentar a carga genética do país e nossos animais, porém, o mercado é muitas vezes ileal, e seus preços, não condizem com o que realmente "podem ser pagos", mas enquanto tiver compradores...não há do que se reclamar!



Esta é apenas minha opinião, de quem vê o mercado do lado de fora, pois muitos que ficam cegos quando apareçem estes diante de seus olhos. Se fomos analisar, quantas coberturas o Brisco County Jr, o Real Easy Cash e ainda o A Royal Jet venderam somente nesta temporada? Quantas ainda estão por vir? E ainda todos os outros potros e jovens reprodutores que vem anualmente para o país?



Sem dúvida o investimento é ótimo, e, confesso, que se tivesse condições, também faria o mesmo, afinal, falam que o mundo é dos espertos, e sendo esta prática totalmente legal, do ponto de vista moral e ético, não dá para condenar os que importam, devemos ainda incentivá-los.

O que teríamos que repreender é o mercado, pois enquanto há equilíbrio entre a oferta e a demanda, esta sendo até superior, e o número de compradores e investidores só aumentando, juntamente com os preços exorbitantes, é totalmente válido e lucrativo para os atravessadores e vendedores, e isso não irá acabar tão logo. O mercado nos dita isso, nos ensina a valorizar os animais importados...



Agora me digam, senhores, quais de vocês, por mais que um matungo(a) para os norte-americanos, não queria ter um animal importado em seu plantel, e se você tivesse condições, não faria tal investimento? Sabendo que futuramente este mesmo mercado também valorizaria seus produtos, e conseqüentemente, o seu próprio plantel estaria mais valorizado?



Sou a favor da importação, mas também sou a favor da valorização dos produtos brasileiros, do plantel brasileiro. Ainda temos muito a aprender com os próprios americanos, no que se diz ao melhoramento, a genética, entre outras variáveis. Portanto, é mais complicado do que se parece tudo que envolve esta questão - apenas minha opinião.
30/11/2009
Thomas Souza

Voce tocou num ponto muito importante - o formato dos leiloes hoje no Brasil. Sao caros, ineficientes e criam bolhas de valor. Um dia vamos evoluir para pagamentos a vista e condicoes de leilao mais transparentes. Enquanto isso fica essa competicao tola para ver quem faz o leilao no lugar mais bonito com a melhor bebida e para buscar a melhor media.
30/11/2009
Jose Neto

Eu não sou contra a importação apenas acho que ela tem que ter um próposito "melhorar a genetica nacional", agora se vier aqui para empatar que fique lá, pois não acrescenta nada. As importações sempre serão bem vinda como as que foram feitas com cavalos de primeira linha "Holland Ease, Designer Red, Somebody Smart, enfim cavalos que ganharam e produziram nos EUA. Agora o que vemos com frequencia é o primo da égua tal, a mãe é irmã de uma campeã. Ou seja só refugo. Nos EUA os cavalos são tratados como negocio, haja visto que o pagamento é a vista e os leilões não tem grande produções como aqui. Aqui os pagamentos são parcelados em 24 (já chegando a 30 meses), os leilões de recinto tem custo fixo enormes (mais de 200 mil), com médias reais de 25 a 30 mil. Nosso seguimento a Raça QM é uma bolha e isso é preocupante pois cria-se um sensação de alta rentabilidade o que sabemos não ser verdadeiro. Um Potro ao chegar na porteira da cerca para concorrer a um Potro do Futuro já esta custando mais de 30 mil (cobertura, desmame, trato, treinamento e etc...) ai se for campeões receberá de premio 15 mil para o Campeão OU UM CARRO mil de 25 mil. Por isso temos que tratar da criação de cavalos como hobby o que é uma pena.
30/11/2009
Thomas Souza

Acho que me expressei errado. Quis dizer que o HFB nao importa animais a muito tempo (pelo pouco que sei, posso estar errado). E claro que o plantel dele tem uma base solida de animais importados, isso todos sabem. Mas em cima dessa base ele foi fazendo o nome dele.



Todos querem fazer do hobby nao um negocio rentavel mas um hobby que se for bem se paga. O problema no mundo do cavalo e exatamente esse - se for bem.



Meu chute e que talvez com sorte 10% dos criadores e propriatarios pagam as contas dos haras e podem ate ter algum lucro. Enquanto isso 90% tem prejuizo e por se hobby isso e bem aceito. Como dizem, a dor de cabeca nao pode ser maior que o prejuizo. Enquanto a paixao e o amor pelo cavalo sao maiores que o prejuizo, a coisa vai. Se nao for, ai o hobby acaba. E no mundo do cavalo isso geralmente acontece quando caimos nas maos de criadores picaretas ou consultores desonestos.



Nos olhamos muito para os animais bem pagos nos leiloes, mas esses sao a grande minoria. Devem representar menos de 5% dos cavalos comercialzados por ano - se for isso! Entao devemos nos pegar as medias para entender melhor a direcao do mercado.



Nao vejo no importado um risco porque eles representam uma parcela insignificante do plantel do QM vivo no Brasil de hoje.



Em 2008 foram cerca de 200 animais importados (incluindo aqueles no ventre). Isso e uma gota d'agua em relacao ao plantel do QM hoje de 342,000 animais.



Isso e tambem uma fracao minuscula, ou seja 2% do total de novos registros que o QM tem hoje.



E isso prova que a importacao e feita por poucos ja que e cara e trabalhosa. Por isso nao precisamos colocar barreiras de entrada.



Dito isso, talvez uma solucao mais inteligente seria a ABQM cobrar uma taxa elevada para a importacao e registro do animal no Stud Book dela - algo como R$15,000 por animal vs os R$1,000-R$2,000 cobrados hoje. Esse dinheiro poderia ser bem empregado em provas, na Casa da ABQM e quem sabe, ate no Parque da ABQM quando ele sair.



Enfim, essa e so minha opiniao. Ela nao esta nem certa nem errada. O certo e o debate de ideias. Acho que so evoluimos assim.
29/11/2009
José Paulo Netto

Thomas,

Você sabe que esses 99% "de hobby" não é bem assim, você por ex, está (ou trabalha para estar) no 1%, certo? Todo mundo, meu caro. É claro que se pudermos aliar nosso hobby com um retorno financeiro vamos perseguir até alcançar, não é certo? Portanto, a proteção dos produtos de Victor Fly (ótima genática), deve ser nossa preocupação sempre! Assim como fazem os americanos com a produção (e a proteção) de seus produtos...

Outra questão levantada pelo José Neto e muito pertinente: Vamos fazer um exercício em sacas de café (um dos nossos produtos de exportação), divida 5.000 dólares por sacas de café e depois divida 280 mil reais pelas mesmas sacas...Até imbecil, seguramente, vai deixar de produzir o nosso café...Esse negécio é muito melhor que vender cocaina, aquele produto de exportação colombiano...e não tem nem mesmo o risco do ilícito, do crime...
28/11/2009
Jose Neto

Thomas o Haras Fazenda Bela constituiu seu plantel em cima de éguas e garanhões importados. Antes era o Super Sound Charge que deixou execelentes matrizes, depois veio o Holland Ease (pai do Corona Cartel) que em cima dessas éguas e das importadas como a Beduinos Baby deram o que de melhor tem na corrida no Brasil. A questão do Haras Fazenda Bela é que se importou o que de melhor há nos EUA e para uso na sua propria criação, como também fizeram outros criadores de corrida que trouxeram Signed To Fly, Fishers Dash, Splash Bac, Jess Lousiana, como esse égua vendida recentemente no Leilão Versatilidade (Corona Music - ganhador de mais U$ 300 mil). Agora não se pode permitir importar uma égua matunga de U$ 5000 mil e vender seu produto com 6 meses por R$ 280 mil. Isso é muito ruim para a Raça e para o mercado.
28/11/2009
Thomas Souza

Infantilismo, desconhecimento quem mostra e voce meu caro.

Afinal o cavalo como um "produto" nao e um bem necessario, estrategico, tecnologico ou que gera empregos como as outras industrias que voce mencionou.

Cavalo e um hobby para provavelmente 99% dos proprietarios e criadores. E um passa tempo. Que pode sim ser levado muito a serio. E deve.



E um luxo ter cavalos no Brasil. E por isso nao precisamos proteger essa "industria".



Nao precisamos ter medo dos importados. Devemos sim saber pagar por eles. O Real forte ajuda aos investidores a investir mais e melhor em maquinas importadas que darao um choque de qualidade tao necessario no nosso plantel.

Os erros dos criadores novos tambem podem ser feitos com produtos nacionais. Quantos nao conhecem historias horripilantes de criadores famosos que temos que enfiaram buchas nos outros.



Por isso proteger os criadores nacionais me parece uma proposta tola. Quem nao deve nao teme os importados. Quem tem qualidade e preco apropriado nao teme os importados. Quem e serio e honesto nao teme os importados. Muito pelo contrario. Agora s voce nao tem genetica, custo, qualidade de criacao, honestidade, seriedade ai sim, voce deve temer e muito os importados porque eles farao a sua criacao de matungos ficar cada vez mais evidente.



Eu nao acho que tudo que vem de fora e melhor. Mas no caso do QM, por exemplo, alguem questiona o fato que o melhor, mais desenvolvido, mercado e o americano para o QM? E o berço do QM do mundo! Acho que ninguem questiona que eles de fato tem os melhores produtos QM do mundo. Isso nao quer dizer que o que importamos e o melhor (muitas vezes ate e), mas ai a palavra fica com os picaretas.



Importar um quarto de milha custa dinheiro, tempo e tem riscos enormes. Quem quiser que importe. Respeitando as regras fito-sanitarias, o resto e blah blah blah de gente que quer proteger o mercado por ser incompetente. Veja o Haras Fazenda Bela por exemplo - nao vejo ele importar nada e provavelmente e hoje o haras mais respeitado do Brasil.
28/11/2009
José Paulo Netto

Pêssoal, é bom que se esclareça que quem regula a importação de equinos não são as associações de raça, e sim o Governo Federal, nesse caso através do MAPA.

Portanto a "coisa" não é tão fácil assim, não basta dizer "eu sou a favor da livre importação, o mercado que regule", isso é, na verdade, uma grande besteira e falta de conhecimento da realidade, é a mesma coisa que dizer: "Eu sou a favor de importar tudo, o mercado que regule" "TUDO" como: medicamentos, carros, máquinas, alimentos, bebidas, até mesmo mão-de-obra mais barata, da China, por exemplo...Ora, deixemos de infantilismo o desconhecimento...O Brasil, como qualquer outro país, como os EUA, deve defender com racionalidade o nosso mercado, nossos produtos, nossa produção e o nosso plantel, por que não? Uma coisa é você importar o que falta aqui ou os produtos que possam MELHORAR a nossa genética, a nossa produção, outra coisa é o oba-oba que leva combustivel para o tanque "guloso" dos atuais importadores picaretas, mercadores não de animais, mas dos dólares de desavisados, ingênuos, aqueles que estão comprando em leilões animais que aqui nem ainda chegaram...que estão pagando "parcelado em 24" o que lá esses picaretas compram e aqui colocam por exatos 1/24...

Abram o olho nos leilões cuja propaganda é "50% dos lotes são de importados" e reparem que os VENDEDORES não passam de 10 espertalhões, da para contar até nos dedos...Fixam um preço MÍNIMO de venda com as leiloeiras, os leiloeiros e os donos de leilões, não pagam "defesa" e ficam a espera de um ou outro "frango novo" que sempre acaba aparecendo, seja pelo Red Label ou mesmo pela ignorância...Quando não dá certo, notem que o leiloeiro "estica" seu martelinho até o "saco" dizer chega e anuncia sempre um entre o outros 10 "grandes compradores", sempre os mesmos...que, num próximo leilão, voltam com o mesmo produto e sempre com a mesma "histórinha" do seu assessor também picareta de plantão: "resolveu abrir mão dessa maravilha genética para prestigiar o fulano de tal e por que tem em seu haras 2,3,4,5 embriões já prontos"...

Chega de picaretagem dos atuais roleiros internacionais, de assessores desonestos, sempre em busca de seu "troco"!!! Legislação bruta neles!!! Taxa de importação da ABQM que inviabilize a picaretagem!!! Ou traz genética comprovada (e lá também é caro) ou vai vender cafézinho e não matungos...
27/11/2009
Gustavo Monteiro

Acredito que as normas de importação da ABQM (http://www.abqm.com.br/Impressos/NormasImportacao.htm) são necessárias e justas, mas podem ser melhoradas. Elas são consideradas avançadas internacionalmente, inclusive foi uma das referências positivas que a reportagem da Barrel Horse News fez sobre o QM no Brasil.



Ao exigir que o animal tenha se provado lá fora ou tenha pais provados você começa a qualificar a genética que será importada, evitando um pouco as "buchas" trazidas por atravessadores que tem função apenas de enganar os criadores menores, que estão começando e não entendem 100% do negócio.



Esse dinheiro mal investido é ruim para o criador porque perceberá rapidamente que o animal não vale o preço que foi pago. Essas decepções além de piorarem geneticamente a tropa, ainda podem afastar do mundo do cavalo aqueles que estão começando, prejuízo então para todo o mercado (indústria de ração, selas, treinadores, veterinários, etc) e não apenas para o comprador que comprou mal e que teve prejuízo.



Fora isso, o brasileiro tem uma cultura (que acredito que com o tempo vá mudar) que tudo o que é importado é melhor que o nacional. A liberação total prejudicaria os criatórios nacionais, tanto os bons quanto os ruins. A genética já provada aqui seria trocada por modismos vindos de fora, que ainda não se provaram, nem lá. O problema é que este tombo demora para levantar, pois só conseguiremos avaliar o tamanho do estrago 4 anos após a chegada destes cavalos com os primeiros resultados em pista.



Sou a favor da importação de genética de qualidade, de ponta, de campeões como alguns haras nacionais tiveram a coragem de fazer. Isso faz a raça crescer e melhora a nossa tropa, para no futuro começarmos a exportar cavalos e não somente importar. Trazer este tipo de genética é chave se queremos nos tornar uma potência no QM.



Existe ainda a questão da importação de sangues de fundação, hoje ainda barrados e que são tão importantes para as provas de boi. Com isso seria criado um banco genético que poderíamos visitar toda vez que acreditarmos que a criação do QM, o cavalo mais versátil, está se descaracterizando demais ou perdendo características essenciais como cow-sense, temperamento, agilidade e rusticidade.



"A posição de acreditar na validade ou não dos animais de fundação é uma decisão pessoal e de criação. As pessoas têm o direito de aceitar e querer animais de fundação como também tem o direito de achar que isso não representa nada.



As estatísticas no entanto mostram que o QM que trabalha na Apartação, Rédeas e Working Cow Horse tem altíssimos percentuais de sangue de Fundação. " E como devemos pensar nas normas de importação do QM como um todo, não podemos esquecer desses pontos se quisermos nos transformar em produtores de genética e não apenas compradores da mesma.



Uma coisa que eu tenho dúvida, e se alguém puder me explicar melhor, é como funciona o comércio de sêmen congelado de animais que não estão aqui no Brasil. Ele é definitivamente banido? Por quê?



Abraço

Gustavo
27/11/2009
Gustavo Monteiro

Olá Thomas,

Existe algum site em que dê para ver as fotos ou vídeos dos animais que estão no catálogo?



Abraço

Gustavo
27/11/2009
Thomas Souza

Na minha avaliacao, a importacao de cavalos deveria ser 100% liberada. Quem quiser importa. Matungo ou nao.

O mercado e quem deve regular a atuacao, penalizando aqueles que importam matungos para vender pagando o preço que eles merecem.



Vemos isso no mercado de garanhoes, com muitos importanto matungos que ganharam uma mixaria nos EUA e chegam aqui com idade de correr potro do futuro ainda! Mas tem um papel diferente, e ai o povo paga uma fortuna na cobertura so por ser importado. Tem bons exemplos que todos conhecem bem.



Sou a favor de um mercado livre. Logico, os atravessadores sao uma peste, mas isso em todos os mercados, nao so o de equinos. Acho que temos que educar cada vez melhor os compradores, penalizar os picaretas de alguma forma (ja falei sobre isso no Blog - talvez uma lista negra na ABQM??), debater melhor as questoes com todos para que possamos reduzir os erros e aumentar os acertos.



Mas acima de tudo sou a favor do livre comercio.

27/11/2009
Jose Néto

De fato comprar cavalos nos EUA hoje é um grande negócio, principalmente para os atravessadores. Se um criador ir lá comprar para melhor sua criação ótimo, porém o que vemos hoje em dia são negociantes de cavalos usando desse meio para fazer negocios lucrativos. Nada contra algum ganhar um bom dinheiro, porém isso vai contra os principios de uma criação de cavalos. Imagina você Thomas que investiu no Victor Fly, comprou eguas de primeira linha. Fez os acasalamentos visando sair um craque. Coloca eles a venda e começam a ser desvalorizados em função das importações que irão ocorrer, pois vem um Dash Ta Fame (matungo) um Fire Wather Flit (matungo), um On The Money Red (matungo), que o pessoal compra lá por ser barato (U$ 5.000) e os desavisados que não tem interesse de veriifcar os preços nos EUA, compra achando que fez um grande negocio e ai o estrago tá feito. Trazer cavalos dem quantidade baseados nos preços baixos e muito ruim. Penso que tem que vir animais com campanha, com ganhos em dinheiro substanciais, para virem somar e não para ser mais um e atrapalhar toda um criação que vem sendo baseada em critérios solidos e de muito investimento.
O Blog (painel de notícias) da Fazenda Nossa Senhora de Lourdes é um espaço criado para a divulgação de informações e troca de idéias, permitindo, inclusive, a participação de terceiros por meio de comentários. A opinião expressa nos comentários reflete a opinião do autor e, não necessariamente, representa a opinião da FNSL. A Fazenda Nossa Senhora de Lourdes não se responsabiliza pelo teor destes comentários. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do visitante que enviá-lo, sendo o número IP, data e horário da postagem armazenados em nosso sistema.
Fazenda N. Sra. de Lourdes - Jaguariuna:(19) 3867-1226. (11) 3071-3866 | Fazenda Estrela do Sul - Uberaba:(11) 3071-3866 . (34) 9960-6172
Desenvolvido por Mercado de Cavalos